Novo

Livro: Doutrina Das Cores - Goethe

64 reales con 90 centavos

em 12x 6 reales con 29 centavos

Envio para todo o país

Saiba os prazos de entrega e as formas de envio.

Último disponível!

Devolução grátis

Você tem 30 dias a partir do recebimento do produto para devolvê-lo, não importa o motivo!

Garantia

Compra Garantida com o Mercado Pago

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o seu dinheiro

Características principais

Título do livroDOUTRINA DAS CORES
AutorJohann Wolfgang Von Goethe
IdiomaPortuguês
Editora do livroNova Alexandria
Edição do livro4
Tampa do livroMole
Ano de publicação2013

Outras características

  • Quantidade de páginas: 212

  • Altura: 21 cm

  • Largura: 13.8 cm

  • Peso: 0.274 kg

  • Tradutores: MARCO GIANNOTTI

  • Gênero do livro: Filosofia

  • Tipo de narração: Filosofia

  • ISBN: 9788574923727

Descrição

A filosofia do século XVII, nas suas versões racionalista e empirista, com o corte que fazem entre qualidades primárias e secundárias, não podia ver as cores como problema do pensamento. A natureza pouco misteriosa das cores era perfeitamente analisável no campo da Física ou da Óptica. Já no século XVIII, com Hume, as cores parecem constituir-se numa bizarra exceção às leis associativas que constroem o mundo da experiência. E, em nosso século, Witt genstein chegará à ideia (incompreensível do ponto de vista clássico) de uma lógica das cores.Nessa história da concepção das cores, a Doutrina de Goethe, (a que o leitor brasileiro tem agora acesso na tradução de Marco Giannotti) ocupa um lugar crucial. Pertencendo ao gênero peculiar da Naturphilosophie (que seria privilegiado pelo Romantismo Alemão), a Doutrina das Cores contrapõe-se a uma perspectiva estritamente físico-matemática, sugerindo que a óptica de Newton é cega para as cores. Goethe pretende fazer obra científica, mas sobretudo, redescobre a cor como fenômeno da experiência vivida – essa experiência cuja "verdade" só emerge de maneira pura com a pintura. Não se trata mais de uma física da luz e não se trata ainda de uma lógica das cores. Talvez pudéssemos dizer – com o risco de algum anacronismo – que, com este grande clássico da literatura e da filosofia, se esboça, pela primeira vez de forma sistemática, uma fenomenologia do visível.